Yuko Mohri Parade - um pingo pingando, uma conta, um conto

31 Ago 14 Nov 2021 Japan House São Paulo Exposição individual
Yuko Mohri, <i>Parade - um pingo pingando, uma conta, um conto</i>, 2021. Foto: Marina Melchers
Yuko Mohri, Parade - um pingo pingando, uma conta, um conto, 2021. Foto: Marina Melchers

Exposição individual de Yuko Mohri (1980, Kanagawa, Japão).

Mohri produz instalações compostas por elementos mecânicos vindos de utensílios domésticos e de outros objetos cotidianos. Muitas vezes, pauta-se pela filosofia japonesa do You-no-bi, ressignificando esses objetos com um olhar apurado, observando o belo no ordinário. Dentre suas individuais, destacam-se as apresentadas no Camden Arts Centre (Londres, Inglaterra, 2018); Mori Art Museum (Tóquio, Japão, 2016). Seu trabalho foi incluído em diversas exposições coletivas, dentre elas: a 5ª Bienal de Arte Contemporânea de Ural (Rússia, 2019); Centro de Arte Contemporáneo Wifredo Lam (Havana, Cuba, 2018); 14ª Bienal de Lyon (França, 2017); Kochi-Muziris Biennale 2016 (Índia, 2016); Yokohama Triennale 2014 (Kanagawa, Japão, 2014). Vive em Tóquio.

A exposição Parade - um pingo pingando, uma conta, um conto na Japan House integra a rede de instituições parceiras da 34ª Bienal de São Paulo. 

Curadoria: Natasha Barzaghi Geenen

Saiba mais sobre a artista aqui.

Serviço Parade - um pingo pingando, uma conta, um conto
Data: de 31 de agosto a 14 de novembro de 2021
Horário de funcionamento: Terça a sexta-feira, das 10h às 17h | Sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h
Reserva online antecipada (opcional): https://agendamento.japanhousesp.com.br/
A exposição conta com Recursos de Acessibilidade
Entrada gratuita

  1. Caroline A. Jones, Eyesight Alone: Clement Greenberg’s Modernism and the Bureaucratization of the Senses (Chicago: University of Chicago Press, 2005).
  2. Greenberg’s Modernism and the Bureaucratization of the Senses (Chicago: University of Chicago Press, 2005).
Compartilhe
a- a a+