Live As vozes dos artistas #3: em torno do Sino de Ouro Preto

25 Fev 2021 19:00 - 20:00 bienal na web
 Vídeo que apresenta o enunciado Sino de Ouro Preto na exposição <i>Vento</i>, parte da 34ª Bienal de São Paulo. Foto de Levi Fanan / Fundação Bienal de São Paulo
Vídeo que apresenta o enunciado Sino de Ouro Preto na exposição Vento, parte da 34ª Bienal de São Paulo. Foto de Levi Fanan / Fundação Bienal de São Paulo

No dia 25 de fevereiro, às 19h, a Fundação Bienal de São Paulo promove a terceira live da série As vozes dos artistas, em que a curadoria da 34ª Bienal de São Paulo conversa com artistas convidados, brasileiros e estrangeiros, sobre os enunciados da mostra – objetos com histórias marcantes e em torno dos quais as obras serão distribuídas na exposição, sugerindo leituras poéticas multifacetadas das mesmas. 

Inscreva-se gratuitamente aqui! A live terá interpretação em libras. 

O terceiro encontro As vozes dos artistas #3: em torno do Sino de Ouro Preto conta com a participação ao vivo de Jota Mombaça (1991, Natal, RN) e entrevistas pré-gravadas dos artistas Ana Adamović (1959, Belgrado, Sérvia), Nina Beier (1975, Aarhus, Dinamarca) e Vincent Meessen (1971, Baltimore, EUA), além da curadora convidada Carla Zaccagnini (1973, Buenos Aires, Argentina).

O Sino de Ouro Preto, também conhecido como Sino da Capela do Padre Faria, datado de 1750 e localizado na cidade mineira de Ouro Preto, foi tocado em duas ocasiões marcantes na história do Brasil: o dia da morte de Tiradentes, em abril de 1792 (à revelia de ordens oficiais), e na inauguração de Brasília (cidade para a qual foi temporariamente transportado), em 1960. Sua presença em diferentes momentos da história do país, sempre ligada a importantes fatos políticos, mobilizou pesquisas em torno da repetição e da diferença, de memória(s) e futuro. 

Encontro com artistas – As vozes dos artistas #3: em torno do Sino de Ouro Preto
Com Ana Adamović, Carla Zaccagnini, Jota Mombaça, Nina Beier e Vincent Meessen
25 de fevereiro, quinta-feira, às 19h
Inscrições gratuitas aqui
Gratuito

  1. Caroline A. Jones, Eyesight Alone: Clement Greenberg’s Modernism and the Bureaucratization of the Senses (Chicago: University of Chicago Press, 2005).
  2. Greenberg’s Modernism and the Bureaucratization of the Senses (Chicago: University of Chicago Press, 2005).
Compartilhe
a- a a+